fbpx

Artigos

Manual para Gestantes

Prevenção de acidentes

Acidentes de lesões não intencionais são as principais causas de mortalidade na infância no país. E continuam envolvendo crianças de 1 a 14 anos. Saiba como identificar os perigos aos quais a criança está exposta em sua casa, criando soluções para todos os cômodos, e quais as providências que se deve tomar para melhorar a segurança das crianças.

Riscos

• Quinas e cantos de móveis podem causar ferimentos. A mobília com cantos arredondados ou devidamente protegidos é uma garantia de segurança. No mercado já existem protetores para serem adaptados em alguns móveis da casa.

• Coloque protetores em todas as tomadas, pois as crianças e bebês costumam colocar os dedos nas tomadas provocando choques elétricos.

• Não coloque móveis perto da janela e coloque grade protetora. Afaste móveis próximos da janela, isso facilita a criança a ter acesso à janela.

• As crianças podem puxar fios expostos ou pendurar-se nos aparelhos domésticos, e eles podem cair sobre elas. Não deixe eletrodomésticos à altura das crianças e mantenha seus fios devidamente escondidos.

• Pilhas, brinquedos pequenos ou com partes destacáveis podem provocar engasgamento se a criança levá-los à boca. Só dê brinquedos adequados à idade da criança ou do bebê e com selo do Inmetro.

Acidentes mais frequentes:

Recém-nascidos
• Asfixia: sufocação, engasgo com leite, chá, talco ou brinquedo.
• Queimadura: água do banho muito quente.
• Afogamento: bebê sozinho na banheira.
• Intoxicações: medicamentos administrados sem indicação do pediatra.
• Traumas: quedas.

Primeiro ano de vida
• Quedas e afogamento.
• Queimaduras: jamais fume perto da criança.
• Intoxicações: mantenha longe produtos de limpeza.
• Sufocações com corpo estranho: cuidado com caroços, grãos, botões, brinquedos e objetos pequenos.
• Choques elétricos: proteja as tomadas e esconda fios descascados.

De 1 a 3 anos
Queda
• Queimaduras
• Afogamento
• Intoxicação
• Aspiração de corpo estranho
• Picadas de insetos

Fisioterapia Obstétrica

Objetivos:
• Promover e manter uma ótima saúde física e emocional do começo ao final da gestação.
• Realizar um trabalho preventivo para as possíveis durante e após o parto e gestação, desde o 1º ao 9º mês.
• Preparar e informar os pais sobre gravidez, parto e puerpério.
• A principal finalidade é resultar em uma gravidez e em um parto o mais saudáveis possível.

Exercícios para a gestante:
Os exercícios para a mulher grávida podem ser iniciados desde o 1º trimestre gestacional, com exercícios respiratórios, relaxamento e orientação postural. A partir do 2º trimestre inicia-se então a ginástica propriamente dita, com exercícios de alongamento, fortalecimento, posturas tanto estática como a mudanças de decúbito, exercícios respiratórios que irão ajudá-las na preparação do parto.

São os seguintes exercícios de base mais importantes para a gestante:

1) Exercícios para o metabolismo: têm por finalidade estimular a irrigação sanguínea e do metabolismo, efetuados com movimentos isotônicos e de grande amplitude (das mãos, antebraços, pés e das pernas), chamados exercícios de
elasticidade.

2) Exercícios de flexibilidade: para relaxar os músculos das costas, abdômen e do assoalho pélvico, praticados por pequenos movimentos de extensão, flexão e rotação do tronco, em várias posições.

3) Exercícios para o abdômen e assoalho pélvico: para favorecer sua capacidade de contração e relaxamento (a alternância isométrica da tensão e do relaxamento) para que possa auxiliar durante os períodos de dilatação e expulsão.

4) Natação e hidroginástica: os exercícios dentro d’água proporcionarão alongamento da musculatura das pernas, assoalho pélvico e panturrilha.

5) Exercícios respiratórios: assim como os exercícios de alongamento e fortalecimento são importantes, os exercícios respiratórios têm fundamental importância para a gestante, pois acalmam durante o período de dilatação. O trabalho vigoroso dos músculos abdominais durante o período de expulsão requer não somente condições psíquicas, mas igualmente físicas. Tipos de respiração: respiração torácica, respiração diafragmática, apneia, hiperventilação — contra indicada.

Exercícios físicos que a gestante poderá fazer
Movimente-se. A gravidez, o parto e o aleitamento exigirão muito de seu corpo, por isso quanto melhor for o seu estado físico, melhor será a sua gestação e o parto. Quando você sentar, parar e caminhar, faça-o corretamente com a coluna sempre reta, evitando dores provocadas pela má postura. Quando precisar pegar objetos no chão ou mexer em gavetas próximas ao chão, agache-se (de cócoras) ou encoste os dois joelhos no chão, sempre com a coluna reta.
Com exercícios, você poderá recuperar sua forma normal mais rápido depois do parto.

Consulte seu médico ou a equipe do pré-natal sobre os exercícios que pretende fazer, antes de começá-los. Com a autorização médica você poderá seguir estas sugestões:

a) Nunca faça um movimento que lhe produza dor, isto significa que o movimento está errado.

b) Se você não fazia exercícios antes da gravidez, não deve iniciá-los agora. Procure caminhar, pelo menos 20 minutos por dia, sempre que possível, não se esquecendo de manter a coluna reta.

c) Há exercícios que podem ser feitos com você sentada de uma cadeira e que melhoram a circulação e aliviam a tensão nervosa:
• Cabeça e pescoço: encoste o queixo no seu peito e gire a cabeça lentamente para o lado esquerdo, leve a cabeça para trás, descendo pelo lado direito, retornando o queixo ao peito. Faça então o giro para o lado direito repetindo o mesmo movimento.
• Ombros: faça círculos com os ombros para trás, para aliviar a tensão.
• Tornozelos: levante um pouco os pés, separe os calcanhares, gire os pés num círculo onde os dedões se toquem e depois se separem. Faça depois um círculo na direção contrária, com os dedões voltados para baixo e os demais dedos virados para cima.
• Pés: estique as pontas dos pés e faça grandes círculos no ar, movendo somente os tornozelos.

d) Exercício que você poderá fazer sentada no chão.

e) Costas: para melhorar a flexibilidade das costas, sente-se no chão com as pernas cruzadas e as costas apoiadas contra a parede, alongue (estique) a coluna. Ao dormir: Procurar deitar-se ao lado esquerdo, se for confortável para você.

Ao levantar da cama:
• Apoie o braço esquerdo no colchão, com o braço direito à frente, apoie a palma da mão no colchão e utilize os dois braços para empurrar-se para cima, sempre na lateral;
• Gire lentamente o corpo e sente-se na cama com os pés sobre o colchão;
• Aproxime-se, ainda sentada, da lateral da cama e abaixe lentamente as pernas até tocar o chão com firmeza;
• Coloque um pé para trás do outro, apoie as mãos nas coxas (perto dos joelhos) e empurre fazendo pressão sobre as pernas. Mantenha o pescoço para frente e as costas retas, empurre desde os pés e levante-se.

Ao levantar-se de uma cadeira:
Seguir o indicado no item anterior.

Para erguer uma criança pequena:
Coloque os pés um ao lado do outro, dobre os joelhos, abaixe-se e depois levante-se com as costas retas.

Ao carregar seu filho:
Mantenha o corpo reto, não se curve e troque a criança de um braço para o outro.

Evite:
Levantar peso e esforços desnecessários, mas se precisar fazê-lo, sente-se agachada (de cócoras) mantendo as costas retas. Inspire profundamente, contando até 3 e levante o objeto ao chegar ao número 4. Solte a respiração enquanto ergue o peso. Segure o objeto próximo ao seu corpo enquanto levanta. Quando carregar pacotes entre os braços evite mover-se de um lado para o outro e distribua o peso por igual. Evite abaixar os objetos pesados de locais altos. Suas costas se curvarão e você poderá perder o equilíbrio.

Normas e procedimentos dos exercícios na gravidez
1) Movimentos e atividades aos trancos, saltos devem ser evitados.
2) Sessões de exercícios regulares — pelo menos 3 vezes por semana – são mais seguros.
3) Cuidadoso aquecimento no início da atividade e relaxamento no final.
4) A FC materna não deve exceder 140 BPm e não deve continuar por mais de 15 minutos.
5) Deve-se ingerir líquido antes, durante e depois dos exercícios físicos.
6) A grávida sedentária deve iniciar a atividade física com exercícios de baixa intensidade como: caminhada, natação, bicicleta estacionária ou ioga, e ir aumentando gradualmente.
7) O exercício deve ser adequado às limitações da gravidez.

Exercícios respiratórios para amenizar as dores do parto
No pré-parto fazer respiração diafragmática. No parto propriamente dito fazer respiração torácica — apneia. Descer o ar para o diafragma, contar até 10 e soltar o ar. Isso ajudará na expulsão do feto. Fazer força, empurrar elevando o tronco com apneia, respirar no final para descansar.

Alimentação da Gestante

A alimentação correta durante a gravidez possibilitará à gestante manter se bom estado de saúde e o desenvolvimento normal do bebê. A gestante deve fazer várias refeições durante o dia, pois havendo alimentos no estômago, diminuem as possibilidades de náuseas, vômitos e azia.

Essas refeições podem ser divididas em 6 (seis), distribuídas assim:
• Café da manhã;
• Fruta (no meio da manhã);
• Almoço;
• Lanche da tarde
• Jantar;
• Lanche noturno;

I – Incluir diariamente (em pelo menos uma das refeições maiores: almoço ou jantar) carne magra (de boi, frango ou peixe).
• Na falta da carne, o ovo é um bom substituto, devendo ser consumido, no máximo, 3 vezes por semana.
• Incluir diariamente legumes, verduras (cruas ou cozidas) e frutas.
• Nos lanches da tarde e noite, tomar leite desnatado ( ou tipo C ), café ou chá, pão ou bolacha salgada com moderação.
• Incluir, por serem alimentos bons, miúdos de frango ou boi, como fígado, coração, moela, língua, dobradinha, miolo, etc. Comer pelo menos uma vez por semana.

II – A gestante deve evitar (ou diminuir) o consumo de:
• frituras, doces e refrigerantes;
• refeições muito temperadas;
• temperos picantes (pimentas, etc.);
• sal, para prevenir a pressão alta os riscos de pré-eclâmpsia e eclâmpsia.

III – A gestante deve comer com moderação:
• batata, batata doce, mandioca, mandioquinha, inhame, cará, farinha de mandioca, farinha de milho, fubá, macarrão, ervilha, grão de bico. Quando comer qualquer um desses alimentos, deverá diminuir ou eliminar o arroz e o feijão.

IV – Lembre-se que:
• comer por dois leva você a engordar e pode prejudicar o seu bebê e dificultar o parto;
• na gestação não há proibições quanto ao consumo de qualquer tipo de frutas, legumes e verduras;
• é bom tomar, entre as refeições, grande quantidade de líquidos sob a forma de sucos e água;
• algumas cascas de legumes, folhas de beterraba, cenoura, couve-flor, rabanetes e brócolis são alimentos que podem ser consumidos refogados ou ensopados. Têm grande valor nutritivo por conter vitaminas e minerais como o ferro, além de facilitar o funcionamento dos intestinos;
• as frutas devem ser comidas com casca e um pouco de semente (mamão, maracujá, pêra, maçã, etc.), pois também facilitam o funcionamento dos intestinos;
• os cereais (aveia, milho, etc.) poderão ser utilizados na forma de mingau;
• o leite deve ser preferencialmente desnatado ou tipo C para evitar o excesso de gordura. Pode ser substituído por iogurte ou coalhada;
• se você colocar algumas gotas de limão no feijão, ou tomar um pouco de suco de laranja ou limonada durante as refeições, seu organismo absorverá melhor o ferro;
• substitua frituras e preparações à milanesa por assados, grelhados e ensopados;
• procure consumir pelo menos uma fonte de cálcio por dia. O cálcio pode ser encontrado principalmente no leite e seus derivados como: coalhada, iogurtes e queijo fresco, por exemplo;
• Consuma pelo menos duas fontes de vitamina C por dia. As mais recomendadas são: laranja, limão, kiwi, acerola, goiabada e carambola.
• Beba pelo menos de 6 a 8 copos de água por dia. Esta quantidade de água ingerida é muito importante para prevenir o aparecimento de edemas;
• em casos de necessidade de dieta especial (gastrite, obesidade, anemia, etc.), procure orientação do médico ou da nutricionista, não siga o conselho de pessoas leigas;

Como é a dieta ideal?

A dieta deve conter nutrientes básicos como proteínas, carboidratos, gorduras, vitaminas, minerais, água e fibras.
As proteínas são os “tijolos” das células e carboidratos e gorduras são fontes de energia. As vitaminas e os minerais ( ferro, cálcio, zinco e cobre) mantém o equilíbrio químico do organismo.

Onde encontrar os nutrientes?
• Proteínas: carnes, ovos, legumes e derivados, leguminosas (em menor quantidade) como o feijão, lentilha e ervilha.
• Carboidratos: açúcares, massas, arroz, batatas, mandioca.
• Gorduras: leite (integral), óleo, manteiga e margarina, carnes.
• Ferro: carnes (principalmente vermelhas e fígado), feijão, vagem ervilhas, folhas verdes.
• Cálcio: leite (derivados) e folhas verdes.
• Vitamina A: peixes, fígado, folhas verde-escuras e vegetais alaranjados.
• Vitamina O: frutas cítricas (laranja, limão, caju, acerola) e folhas verdes.
• Vitamina D: leite e clara de ovo.
• Vitamina B1: carnes, cereais, feijão e levedura de cerveja.
• Vitamina B12: carnes (principalmente fígado), ovos e leite.
• Fibras: frutas, verduras e grãos.

Sintomas de Depressão Pós-Natal

Depressão Pós-Parto
• Melancolia.
• Tensão.
• Baixa autoestima.
• Dificuldade de concentração.
• Dificuldade de relacionar-se com o bebê.
• Pânico.
• Insônia.
• Perda de interesse sexual.
• Pensamentos obsessivos.
• Sentimento de culpa.
• Lentidão.
Obs.: Procure ajuda médica e psicológica.

Sentimentos Conflitantes
• Perspectiva do bebê x Novas responsabilidades
• Mudanças e reavaliação de vida x Preocupações e medo.
• O espaço do bebê X Espaço do mando.
• Ansiedade X Medo da dor, da cesárea, perda do controle
• Ser bons pais (saber educar) X Medo da incapacidade de não acertar como pais

Autoajuda
• Dê um tempo para se ajustar à nova situação (adaptações gerais).
• Relaxe e tenha equilíbrio de pensamentos.
• Dê um tempo para conhecer seu bebê.
• Converse com seu parceiro (diálogo).
• Procure se gostar. Cuide-se e relaxe.
• Controle suas fantasias (pensar só no bebê, enxoval e preferência do sexo do bebê).
• Informe-se.
• Vá ao ginecologista.
• Não exija demais de você.
• Peça apoio do pai no parto.
• Massagens, exercícios e ouça boa música.

A Gravidez

Aspectos Psicológicos

1º Trimestre
• Ambivalência afetiva (aceitação X rejeição).
• Dúvida quanto estar grávida.
• Fantasia do aborto.
• Impressão de estar fazendo mal ao feto (alimentação…).
• Nascer filho deformado.
• Introversão, insegurança e sensibilidade.

2º Trimestre
• O mais estável período emocional.
• Menor ansiedade (movimentos do bebê).
• Diminuição do desejo sexual.
• Aumenta necessidade de receber carinho, cuidados e proteção.

3º Trimestre
• Elevação da ansiedade.
• Preocupação com o parto.
• Preocupação com a responsabilidade.
• Dificuldade na relação MÃE X FILHO.

Nascimento
• Trate de seu bebê com carinho.
• Toque seu bebê.
• Pegue-o no colo para amamentá-lo.
• Estimule seu bebê.
• Dê atenção e muito amor.
• Converse com o seu bebê.

Mudanças Emocionais (Pré-Parto)
Oscilação de humor.
Alterações de autoimagem.
Alteração senso crítico.
Elevação da irritabilidade.
Sensibilidade exagerada (choro).
Insegurança.
Depressão.
Sonho.
Medo de ter um filho com problema
Medo do parto (morrer).
Medo de assumir o papel de MÃE.
Não ter leite.
Ansiedade com a proximidade do parto

Mudanças Físicas
Alterações hormonais.
Aumento de peso.
Modificações gerais do corpo.

Mudanças Materiais
Finanças (hospital, alimentação, vestuário, mobília e consultas).
Necessidade de espaço extra (casa).
Vida profissional.

Mudanças no Estilo de Vida
Distanciamento do casal.
Fazer curso informativo.
Alterações no horário do sono.
Dieta.
Visitas ao ginecologista.
Exercícios e massagens.

Mudanças Emocionais na Gravidez

É natural a mudança de humor e sentimentos durante a gravidez, principalmente no início, devido à mudança hormonal que ocorre. A mulher pode ficar mais sensível, chorona e depressiva. Outras podem ficar mais agressivas, nervosas, mudando seu temperamento. Isso é natural. Além disso, principalmente na primeira gestação, a insegurança, o medo perante uma nova vida para o casal, mais responsabilidade, também é compreensível.

A preocupação aumenta geralmente no último trimestre da gravidez. Aparecem sentimentos de que não serão capazes de criar o bebê, não querer cometer erros com seus cuidados. Outra preocupação é o medo da criança nascer com
defeito. A chance de isso ocorrer é mínima. Esta preocupação indica que você já ama seu bebê, pois a gente só se preocupa com o que a gente ama. Estas preocupações e angústias são normais, você só precisa saber controlá-las.

Você vai fazer o melhor possível para cuidar de seu bebê, mas não se esqueça, ninguém é capaz de saber tudo o tempo todo. Não seja exigente demais com você mesma. É bom você saber que irá cometer erros, pois todos nós os
cometemos. Divida as tarefas com seu marido ou outras pessoas de sua confiança.

As dúvidas sobre a gravidez e cuidados com o recém-nascido, você deve tirar com o médico e profissionais de saúde do posto que você costuma frequentar, ou de preferência com a equipe do pré-natal.

A SUSPEITA

ASPECTOS POSITIVOS

• Gravidez desejada e programada
• Prova de amor do meu par e eu
• A criança como vínculo familiar
• Vivenciar uma das maiores experiências de vida
• Ter alguém para amar e que lhe retribua amor
• Não ficar sozinha
• Satisfazer carências afetivas
• Objetivo de viver


ASPECTOS NEGATIVOS AUSÊNCIA DO CASAL

– Gravidez não desejada e não programada
– Ausência do sentimento de amor
– Surgimento de culpa, arrependimentos, sentimentos de rejeição
– Responsabilidade dobrada
– Insegurança na capacidade de criar sozinha
– Estigma mãe solteira
– Preocupações sociais e financeiras
– Insegurança do futuro

Registrando o Bebê

AS INFORMAÇÕES NECESSÁRIAS PARA O REGISTRO DO SEU BEBÊ

É recomendável que sejam distribuídos avisos aos Pais que devem comparecer para declarar o nascimento e quais documentos devem ser apresentados.

Pessoas obrigadas a declarar o nascimento

São obrigadas a fazer a declaração de nascimento, observada a ordem seguinte:

1. O Pai.
2. A Mãe.
3. O parente mais próximo, sendo maior de 21 anos.
4. O médico ou a parteira que assistir o parto.
5. Administrador do Hospital onde ocorreu o parto.
6. A pessoa, idônea, que tiver assistido ao parto, se este não tiver ocorrido em hospital e em residência.
7. Finalmente, a pessoa encarregada da guarda do menor.

Prazos para o registro de nascimento
O prazo para a declaração de nascimento é de 15 (quinze) dias, tanto para o pai como para as demais pessoas acima relacionadas.
No entanto, se a declaração de nascimento for feita pessoalmente pela mãe, ou estando ausente, mesmo que a declaração de nascimento esteja sendo feita pelo pai, o prazo será de 60 (sessenta) dias.
Sempre que o término do prazo ocorrer Domingo ou Feriado, ficará prorrogado para o próximo dia útil subseqüente. O nascimento declarado no prazo legal deve ser registrado no ofício de registro civil do lugar em que ocorreu o
parto.

O pai menor de vinte e um anos
O maior de 16 e menor de 21 anos podem declarar o nascimento de seu filho independente da assistência de seus pais.
O menor de 16 anos deve vir acompanhado de seu Pai, ou de sua Mãe, ou na falta destes, deverá comparecer acompanhado de uma pessoa maior de 21 anos, que assinará o termo juntamente com ele.

Documentos que devem ser apresentados no ato do registro
Pais que são casados:
Neste caso o Pai ou a Mãe comparece ao Cartório respeitando o prazo.
• Declaração de Nascido Vivo
• Cédula de Identidade
• CIC
• Certidão de Casamento
• Duas Testemunhas maiores de 21 anos com os RGs.

Pais que são solteiros:
Neste caso o Pai e a Mãe comparecem ao Cartório respeitando o prazo.
• Declaração de Nascido Vivo
• As Cédulas de Identidade
• Os CICs
• Duas Testemunhas maiores de 21 anos com os RGs.

Relaxamento

APRENDA A RELAXAR

A impaciência, a irritabilidade, a incapacidade de se concentrar e a falta de interesse em relações sexuais são sinais de fadiga (cansaço). Às vezes você não dorme o suficiente durante a noite, então aproveite as oportunidades durante o dia para relaxar, com os pés para o alto. Muita atenção com a respiração durante o relaxamento, você poderá fazê-lo em 30 segundos:

• Sente-se com os pés para cima, ou deitada no sofá ou na cama, sinta-se à vontade. Feche os olhos;

• Inspire profundamente, prenda a respiração por 5 segundos, conte lentamente até 5 e depois solte o ar;

• Ordene mentalmente que relaxem seus pés, pernas, coxas, quadris, abdômen, braços, costas, pescoço, cabeça, rosto, etc., enfim que todos os músculos de seu corpo se relaxem;

• Repita esses movimentos de respiração profunda 2 ou 3 vezes até relaxar totalmente;

• Pense numa coisa ou em lugar agradável. Pense sempre positivamente. Se você fizer estes exercícios diariamente, se sentirá melhor, mais animada e conseguirá controlar melhores seus pensamentos e o seu próprio corpo, o que lhe será útil durante o trabalho de parto e também no seu dia-a-dia.

Dúvidas sobre amamentação

DÚVIDAS & DICAS

1) O leite da mãe desnutrida é o mesmo da mãe nutrida.

2) Seios grandes e pequenos produzem a mesma quantidade de leite.

3) Quem tem parto cesárea pode e deve amamentar.

4) A mãe que trabalha fora pode continuar amamentando.

5) Retire o leite após amamentar o seu bebê. Use frasco de vidro.

6) Após coletá-lo, o leite pode permanecer até 3 horas à temperatura ambiente.

7) No congelador, o leite pode permanecer no máximo 5 dias e no freezer 15 dias.

8) Peça a alguém para oferecer o leite ao seu filho, usando uma colher, após descongelá-lo em temperatura ambiente e aquecê-lo em banho-maria.

9) Após o tempo de amamentação, os seios voltam ao normal (não ficam caídos por causa disso).

10) Tome mais líquidos e se puder alimente-se um pouco mais durante esse período.

Posições para Amamentar

Deitada
Com travesseiro apoiando suas costas ou sua cabeça, apóie o bebê com o braço do lado da mama que está sendo oferecida.

Sentada
Coloque o bebê levemente apoiando por uma das pernas que pode estar protegida por uma almofada, estando esta perna apoiada sobre um pequeno calço (exemplo: um banquinho).

Posição invertida
Por exemplo: colocar o bebê para mamar na mama direita, com as pernas embaixo do braço direito da mãe, como quem carrega alguma coisa debaixo do braço.

“A cavalo”
Colocar o bebê com as pernas entrelaçando a cintura da mãe, apoiando-lhe as costas, deixando-o em pé a fim de que alcance a mama materna.

Na hora de dar o peito, lembre-se destes conselhos:

1) Nos primeiros dias o bebê deve mamar todas as vezes que chorar. Com o tempo ele mesmo acertará os horários das mamadas. Você só precisa ser paciente.

2) Para dar de mamar procure um lugar da casa tranqüilo, num sofá ou cadeira que você possa encostar bem suas costas.

3) Lave bem as mãos antes de cada mamada.

4) Não use álcool, água boricada ou qualquer outro produto para limpar as mamas, pois elas não precisam ser limpas entre as mamadas.

5) Antes de colocar o bebê no peito, verifique se a aréola está macia e o bico flexível. Se estiver, comece a amamentar. Se não, retire um pouco de leite até ficar macia. Faça assim: faça pressão com os dedos polegar e indicador sobre a região areolar. Você vai perceber que o leite vai sair sem muito esforço. Se quiser guardar, coloque em um copo limpo, depois guarde na geladeira. O leite deve ser aquecido somente em banho-maria e não deve ser fervido. Não dê mamadeira ao bebê. Se precisar, dê em colherinhas.

6) Deixar o bebê abocanhar todo o bico e aréola. Cuidado para a mama não tapar o nariz do bebê.

7) Dar as duas mamas durante as mamadas, esvaziar uma, depois dê a outra, conforme explicamos anteriormente.

8) Para retirar o bebê da mama, coloque o dedo mínimo no canto da boca do bebê e aperte levemente. Ele se soltará.

9) Coloque o bebê no seu ombro para arrotar.

10) Depois que o bebê arrotar, deite-o de lado ou de bruços, pois assim se evita que ele vomite e se asfixie com o vômito.

11) Use sutiã adequado, de algodão, deve ser bem firme e com alças curtas para sustentar bem as mamas. Você deve usá-lo até para dormir enquanto estiver amamentando. Quando lavá-lo, retire bem todo o sabão para que não dê alergia no bebê.

12) Não se aconselha empurrar o bebê contra a mama, muito menos a sua cabeça, desencadeando um reflexo de “fuga à asfixia”, ou seja, o bebê fica com medo de se sufocar e acaba por não mamar. Assim muitas mães acreditam que o
bebê não quer mamar, o que não é verdade.

O que fazer quando:


1) Ocorrer o engurgitamento mamário, ou seja, quando houver um acúmulo de leite nas mamas, ficando as mesmas com pontos endurecidos e doloridos, cheios de leite. Você deve retirar o leite com as mãos, conforme falamos anteriormente. Aperte com os dedos polegar e indicador a base da região areolar para a saída do leite. Faça também massagens leves, com as pontas dos dedos sobre os pontos endurecidos. O banho de sol e uso de bolsas de água quente (com muito cuidado para que não se queime) também ajuda.

2) Fissura ou rachadura dos mamilos (bicos das mamas): Não use pomadas, cremes ou outros medicamentos. Lave a região somente com água, não use sabonete. Procure tomar sol nas mamas descobertas, por 15 minutos, no máximo, diariamente entre 8 e 10 horas da manhã. Truque: coloque
tampa plástica de refrigerante entre o bico e o sutiã. Tenha cuidado ao retirar o bebê da mama. Continue amamentando.

3) Se diminuir a produção de leite: Você deverá aumentar a quantidade de líquido que está tomando principalmente a água. Procure dormir mais e ficar mais tranqüila, isto é muito importante. Faça os exercícios de relaxamento que aprendeu com a equipe do pré-natal.

Dúvidas sobre amamentação

DÚVIDAS & DICAS

1) O leite da mãe desnutrida é o mesmo da mãe nutrida.

2) Seios grandes e pequenos produzem a mesma quantidade de leite.

3) Quem tem parto cesárea pode e deve amamentar.

4) A mãe que trabalha fora pode continuar amamentando.

5) Retire o leite após amamentar o seu bebê. Use frasco de vidro.

6) Após coletá-lo, o leite pode permanecer até 3 horas à temperatura ambiente.

7) No congelador, o leite pode permanecer no máximo 5 dias e no freezer 15 dias.

8) Peça a alguém para oferecer o leite ao seu filho, usando uma colher, após descongelá-lo em temperatura ambiente e aquecê-lo em banho-maria.

9) Após o tempo de amamentação, os seios voltam ao normal (não ficam caídos por causa disso).

10) Tome mais líquidos e se puder alimente-se um pouco mais durante esse período.

Como Preparar os Seios

COMO VOCÊ DEVE PREPARAR OS SEIOS PARA AMAMENTAR O BEBÊ

1) Olhe todos os dias as duas mamas, a região do bico e a sua volta;

2) Faça os exercícios que aprendeu com a equipe do pré-natal todos os dias, até o final da gravidez;

3) Para o 5º mês de gravidez, aperte em baixo da aréola para sair um pouco da secreção que você estará produzindo neste período. Deixe secar esse líquido em volta da aréola e bico, pois assim a pele da região fica mais forte para amamentar, evitando rachaduras.

4) Lave as mamas apenas com água, evitando sabonetes. Não use cremes óleos, pastas, etc.;

5) Friccione (esfregue) um tecido felpudo e macio (toalha de banho) nos bicos das mamas, deixando-os expostos ao ar durante alguns minutos para deixar a pele mais resistente.

6) Faça uma “janelinha” no centro do sutiã (altura do bico) para deixá-los em contato com a roupa, pois este “roçar” constante deixa a pele mais forte e resistente.

7) Se puder, tome sol diariamente, nas mamas descobertas, por períodos curtos, de no máximo 30 minutos entre 8 e 10 horas da manhã ou após as 16 horas. Assim a pele da mama ficará mais forte e saudável. Se você seguir corretamente estas instruções, a sua mama não rachará, nem formará feridas.

Exercícios para preparar as mamas para amamentar

1) Pegue o bico do peito entre os dedos polegar e indicador e puxe-o até sentir ligeiro desconforto. Lembre-se que os exercícios nunca devem ser dolorosos.

2) Chicoteie, com as pontas dos dedos os bicos das mamas, de cima para baixo, para endurecê-los.

3) Nas últimas semanas de gravidez, tire um pouco da secreção que está produzindo nas mamas, para facilitar as primeiras mamadas.

4) Seis semanas antes do parto faça exercício 2 vezes ao dia: coloque as mãos abertas (dedo indicador para baixo e dedo polegar para cima) ao redor da mama. Depois escorregue os dedos em direção à aréola (parte escura da mama) e

bico, procurando juntá-los.

5) Coloque os dedos polegar e indicador próximo ao bico da mama e afaste-o em direção contrária.

6) Faça movimentos rotativos (de girar) no bico, usando os dedos polegar e indicador.

7) A sucção do bico da mama pelo marido mão prejudica, só pode ajudar. Continue estes exercícios também nas primeiras semanas após o nascimento.

Amamentação

Durante a gestação existe, a produção de uma secreção clara que dura até as primeiras 24 horas depois do parto. É muito rica em anticorpos, portanto deve ser dada ao recém nascido para aumentar suas defesas, logo após o nascimento. O Colostro que é o primeiro leite, que aparece 24 horas após o parto. E amarelado e espesso (grosso). E um leite muito especial, de fácil digestão e assimilação com grande quantidade de substâncias que protegem o bebê. É uma verdadeira “vacina’ contra doenças perigosas que a mãe já teve. O colostro “limpa” o intestino do bebê, ajudando-o a evacuar o mecônio (substância esverdeada acumulada no intestino do bebê antes dele nascer e que serão suas primeiras fezes).

O Leite Materno “desce” 2 ou 3 dias após o parto. Tem aspecto “aquoso” (de água), porém isso não significa que é fraco, é o “jeitão” dele. Ele contém grande quantidade de água, matando a sede do bebê. Por isso você não precisa dar água, chás entre as mamadas.

O Leite Materno contém também grande quantidade de vitaminas, proteínas e todos os nutrientes que o bebê precisa para se desenvolver nos primeiros meses de vida. No início da mamada o leite é claro, ficando mais denso e cremoso no final dela, porque contém mais gordura. Portanto você deve dar uma mama até que se esvazie totalmente, oferecendo a outra logo após. Se o bebê não mamar todo o leite da outra mama é porque já está satisfeito. No caso dela ficar ainda cheia de leite, faça a ordenha manual, conforme aprendeu com a equipe do pré-natal e ofereça primeiro esta mama na próxima mamada.

O Leite Materno é digerido mais facilmente pelo bebê, por isso ele sente fome mais vezes ao dia. Já o leite de vaca contém mais gordura, demorando mais para ser digerido pelo bebê, deixando-o com sensação de “estômago cheio”.

Vantagens da amamentação

1) Além de alimentar, o leite materno tem uma grande quantidade de anticorpos. Cada ato de amamentar equivale, a grosso modo, a uma vacinação contra uma série de doenças, infecções (principalmente ligadas ao aparelho respiratório e digestivo) e alergias (urticárias, eczemas, etc.).

2) Amamentar é econômico, prático, não exige preparo.

3) Amamentar fortalece o vinculo afetivo entre mãe e filho. Através do peito, o bebê adquire segurança e equilíbrio emocional. Costuma também ser mais tranqüilo e carinhoso.

4) O ato de amamentar não torna as mamas flácidas e caídas. Ao contrário do que muitas mães pensam, a amamentação pode até tonificar as mamas se for feita de maneira adequada e se a mãe usar sempre o sutiã apropriado.

5) Amamentar diminui a possibilidade da mãe ter câncer de mama.

6) A sucção do bebê durante as mamadas contrai o útero, fazendo com que ele volte ao tamanho normal mais rapidamente e ajuda a diminuir a perda de sangue logo após o parto.

7) Durante a amamentação é reduzida à possibilidade da mãe voltar a engravidar, desde que o aleitamento seja exclusivo e os intervalos entre as mamadas não sejam maiores de que 5 horas, inclusive á noite. Isto serve para as mães que ainda não tenham menstruado.

8) Amamentar reduz a possibilidade de infecções. O uso de mamadeiras requer um cuidado muito maior, alto nível de higiene e limpeza e um rigoroso controle de quantidade dos ingredientes.

9) Satisfaz as necessidades de sucção do bebê, favorece o desenvolvimento adequado do osso maxilar e dos músculos da face.

10) Ajuda a diminuir a desnutrição e reduz a mortalidade infantil.

Cuidados Importantes para Higienização

HIGIENIZAÇÂO DO BEBÊ

Banho
Momento de muito prazer para a criança e mamãe, além da função higiênica, recordam-se agradáveis sensações da vida intra-uterina e promove contato mútuo entre os dois.

Troca de fralda
Muito importante a higienização dos genitais com água morna à cada troca, evitando desconforto e “assaduras” no bebê.

Cuidados importantes para a higienização:

a) prepare o ambiente previamente, mantendo-o calmo, agradável e contra “corrente de ar”;

b) separe todos os materiais de higiene e roupinhas confortáveis do bebê;

c) mantenha as unhas do bebê sempre curtas;

d) retire anéis, pulseiras e relógio. Prenda os cabelos. Utilize movimentos delicados e postura correta. Lave as mãos;

e) coloque a banheira e o “trocador” próximos.

f) observe e cuide muito bem do coto umbilical;

g) evite o banho após as mamadas. O horário recomendado será entre 10 e 15 horas;

h) promova vigília constante do seu bebê, nunca deixe-o sozinho;

i) utilize a água para o banho próxima à temperatura corpórea do bebê (37ºC) testando-a, antes de colocá-lo na banheira;

j) sorria, converse, brinque e toque-o. Deixe-o sentir-se à vontade;

k) retire os resíduos de fezes e urina, atentando ao seguinte movimento, “de cima para baixo”, antes de colocá-lo na banheira;

l) atente às “dobrinhas”, lave-as e seque-as muito bem, evitando “assaduras”.


As visitas ao pediatra

Geralmente são feitas mensalmente. Em casos de recém-nascidos prematuros, os pediatras orientam a visitá-los semanalmente no primeiro mês. As visitas deverão ser repetidas durante todo o primeiro ano de vida. Nas consultas
será avaliado: peso, altura, perímetro cefálico, cumprimento do calendário de vacinação, “queixas” referidas; serão fornecidas orientações gerais e especificas; esclarecimento de dúvidas.

O primeiro passeio

Após completar o 1º mês, o bebê poderá passear, porém entre 09 a 10 horas ou das 16 às 17 horas, desde que utilize roupas apropriadas à cada estação do ano. Seguir também as orientações dos profissionais de saúde.

O Bebê

Por ocasião do nascimento, a maioria dos recém-nascidos tem peso que varia de 2,8 à 4,0kg, altura entre 47 à 50 cm., F.C. 120 à 150 bpm e F.R. 40 à 45 mpm. Nos primeiros dias de vida, ocorre perda de 10% do peso, porém mais
tarde reposto gradativamente.

Pele
É rósea, recoberta por uma camada de gordura (aquecimento), presença de lanuge (pêlos), macia e delicada. Por volta do 2º dia de vida, pode ocorrer alteração da coloração da pele, chamada icterícia (“extravasamento da bile na corrente sangüínea”), podendo ser fisiológica (tratamento simples à base de banho de luz solar) ou patogênica (tratamento específico).

Coto Umbilical
Cordão que unia o bebê à mãe na fase da vida intra-uterina, é “clampeado” logo após o nascimento; a seguir, “cortado”, completando a separação do recém-nascido do corpo materno. Resta uma pequena parte, denominada “coto”,
o qual gradualmente “resseca” e em uma semana cai espontaneamente. Deve ser mantido limpo diariamente com “álcool 70%” (favorece a desidratação e queda do coto). Estar atenta à qualquer anormalidade: secreção e odor, comunicando o médico imediatamente. Mantê-lo seco e “descoberto”.

Olhos
Alguns bebês podem apresentar manchas “vermelhas” ao redor dos olhos, outras vezes, edema das pálpebras, devido ás condições do tipo de parto, desaparecendo mais tarde.

Fontanelas (“Moleiras”)
Representada por dois orifícios na parte superior dos ossos do crânio, ocorrendo solidificação até os 18 meses. Sinal clínico importante para avaliar o grau de desidratação e desenvolvimento cerebral.

Mamas
Devido à passagem dos hormônios maternos para o bebê antes do nascimento, pode ocasionar aumento das mamas e às vezes, sangramento vaginal, desaparecendo posteriormente.

Eliminações
No início, as primeiras eliminações intestinais são bastante peculiares, denominadas mecônio (“escuras e pegajosas”), modificando-se conforme a alimentação. É comum a cada mamada apresentar diurese e evacuação.

Cólicas
Existem algumas maneiras para atenuar as cólicas acrescentadas de muito carinho:
• Segurar o bebê de “bruços” em seus braços;
• Deitar na cama e coloque-o de “bruços” sobre a sua barriga;
• Deitar o bebê de “costas” e flexionar suas “perninhas”, pressionando-as levemente sobre a sua “barriguinha”.

Dermatites de contato (“Assaduras”)
São irritações na pele dos bebês, causadas geralmente pelas fraldas. Devemos proceder higienização dos genitais a cada “troca de fralda”. Procurar atendimento médico caso a dermatite não melhore ou piore.

Primeiras sensações
Já nascem com alguns reflexos “aguçados”, tais como audição, olfato, sucção e deglutição.

Primeiro alimento
Nesta fase da vida, o leite materno será o alimento primordial, pois fornece segurança, nutrientes essenciais e profilaxia aos bebês.

O dia-a-dia
Nos primeiros 30 dias de vida, o bebê dorme a maior parte do tempo. Acorda quando está com fome, voltando a dormir após ser amamentado. Estão sempre atentos a qualquer movimento. À medida que cresce, permanece mais tempo acordado e solicita maiores atenções. No final do primeiro mês, o seu peso aumentará aproximadamente 01 Kg. Reage a certos desconfortos: ruídos e luzes fortes, fraldas “úmidas”, excesso de calor ou frio, acompanhado de choro.

Choro
É a maneira da criança expressar suas necessidades afetadas. Saberemos distinguir os tipos de choros, quando conhecermos melhor o nosso bebê. Exemplo: fome, umidade, cólica, cansaço, carência, calor, frio, habilidade de humor materno e solicitação para brincadeira.

Vacinas

VACINAS E ACOMPANHAMENTO MÉDICO DO BEBÊ

É muito importante que o médico pediatra acompanhe o desenvolvimento do bebê até que ele complete um ano de vida. Para isso, leve todos os meses seu bebê para fazer uma consulta. O médico irá pesá-lo, medi-lo e verificar os reflexos dele. Assim você ficará sabendo se ele está mamando direito e se desenvolvendo. O médico também lhe orientará das vacinas que o bebê deve tomar para que muitas doenças 4 que afetam as crianças sejam evitadas.

Quando você sair do hospital a enfermeira lhe orientará para que procure um ser-viço médico onde possa fazer o teste do pezinho, que deverá ser feito logo nas primeiras semanas de vida do bebê. Este teste indicará se ele possui uma série de doenças, que podem ser tratadas se forem descobertas logo. Não deixe de fazê-lo.

A primeira vacina que o bebê deve tomar é a BCG, contra a tuberculose, que deverá ser dada até 30 dias após o nascimento. Então, não perca tempo. Procure logo um serviço de saúde mais próximo.

O Regresso ao Lar e ao Dia a Dia

Se você tem outro(s) filho(s), ao chegar em casa abrace-o(s) com muito carinho fale com ele(s) e então apresente o bebê, evitando os ciúmes. É uma fase que seus filhos maiores precisam de mais atenção que o bebê. Converse com ele(s) longe do bebê. Chame a atenção para as vantagens de serem maiores. Diga que eles também vão ajudar com o bebezinho (guardando roupinhas, se possível, segurando no colo o irmãozinho, etc).

O pai também poderá sentir ciúmes, pois você não poderá dar tanta atenção a ei e quanto antes. Fale com mais freqüência de seu amor por ele. Faça com que ele participe de tarefas de cuidados com o bebê, corno o banho, fazer dormir, etc. Mesmo com tantas mudanças e aumento do trabalho com o bebê, você encontrarão momentos importantes em que devem se dedicar um para o outro.

A Importância da Participação do Pai


• O pai deve também estabelecer um vínculo com o bebê o mais cedo possível.
• Pegá-lo no colo, acariciá-lo, olhá-lo nos olhos.
• O pai deve também ser carinhoso com a mãe e tentar dividir com ela algumas tarefas na rotina da nova família e do lar.
• Aprender a trocar fraldas, limpar o bebê e acalmá-lo.
• Aprenda a fazer pequenos serviços no lar. Nessa época sua esposa vai precisar de ajuda.

Prepare Seus Outros Filhos Para A Chegada Do Novo Bebê


A família deve participar de sua gestação. Deixe a criança acariciar sua barriga para que ela sinta os movimentos do bebê no seu útero. Diga que ele também já foi nenezinho, mostre fotos dele e compare, para que ele receba o irmãozinho com carinho. Você precisa também pensar numa pessoa responsável que tomará conta da criança, por ocasião de sua hospitalização para o parto. Ela deverá estar familiarizada com a criança e com a sua casa.

Você poderá ainda deixar sua criança em casa de amigos ou parentes, mas a recomendação é a mesma, seu filho precisa estar familiarizado com a casa onde ficará. Durante a gestação freqüente mais esta residência, se possível deixe a criança dormir neste local para que ela não “estranhe” numa ocasião importante como a chegada do novo bebê. Procure mostrar ao seu filho as vantagens dele ser mais crescidinho (pode ir ao parquinho, passear, etc).

Anticoncepção

Se você amamentar somente no peito e não der outros tipos de alimentos para o bebê e ainda se não menstruar, teoricamente você estará protegida de uma nova gravidez até o bebê completar 3 meses de idade. Porém, na prática, existem falhas.

Então para evitar uma gravidez indesejada, é bom usar um método anticoncepcional mais eficaz. Procure um Serviço de Saúde para se informar qual seria a melhor maneira de se evitar filhos, nesta fase tão especial de sua vida.


Não siga os conselhos de amigas, procure um profissional para receber orientações adequadas.

Depois do Parto

O que acontece com o Bebê?


Após o nascimento, é indispensável a avaliação cuidadosa das condições de saúde da criança, a fim de que eventuais problemas sejam detectados e tratados o mais cedo possível, sempre que necessário, Isso é feito pelo chamado “teste de Apgar”, aplicado um minuto após o nascimento e reaplicado 5 minutos depois. A comparação dos dois resultados mostrará, entre outras coisas, a capacidade de adaptação do bebê à experiência independente de vida.

O teste de Apgar consiste na avaliação de 5 sinais: freqüência cardíaca, respiração, musculatura, reflexos e cor da pele. Cada item vale 2 pontos e um bebê com nota máxima alcançara 10 pontos. Na repetição do teste 5 minutos depois, o bebê que atingir 7 pontos é considerado em boas condições; 4 pontos ou menos indicam que sua adaptação deverá ser observada, com acompanhamento cuidadoso. Se o bebê é prematuro, receberá cuidados especiais numa unidade de tratamento intensivo neonatal, onde será colocado em uma incubadora que lhe dará condições para que complete sua maturação e se adapte à vida fora do útero.

Entre as avaliações dos testes de Apgar é feita a limpeza das vias respiratórias, o corte do cordão umbilical e o registro da impressão plantar. Depois, limpo e bem abrigado em roupas quentes e macias, o bebê repousará junto da mãe ou no berçário do hospital, sempre assistido por pessoal especializado.

O conhecimento técnico e a experiência dos profissionais de saúde permitem a identificação imediata de qualquer problema, mas, para os olhos da mãe, coisas perfeitamente naturais podem ser causa de tensões e apreensões sem fundamento. É muito comum que a aparência da criança não coincida com a imagem ideal projetada pela mãe durante a gravidez.

Para evitar isso, é importante conhecer certos fatos comuns que não representam anormalidade, são passageiros e nada dizem da verdadeira aparência que a criança terá no futuro:

• Crostas gordurosas sobre várias partes do corpo. São restos do vernix caseoso que protegeu a pele durante a gestação e não foram inteiramente reabsorvidos. A absorção dar-se-á naturalmente, algumas horas após o parto.
Quaisquer resíduos serão eliminados durante o primeiro banho ainda na maternidade.

• Cabeça com formato alterado, devido a pressões sofridas durante a passagem pelo canal vaginal.

• Pele enrugada.

• Pálpebras inchadas.

• Manchas azuladas ou esbranquiçadas. Não são decorrentes de contusões ou traumas do parto e desaparecerão sem necessidade de qualquer providência.

• Pêlos escuros e longos, na cabeça ou outra parte do corpo. São chamados lanugo e caem durante a primeira semana de vida. Geralmente, em nada se parecem com o cabelo definitivo.

• Genitais de tamanho desproporcional. Ocorrem especialmente em bebês prematuros. A proporcionalidade se estabelece sem qualquer intervenção.

• Mamas, de meninos e meninas, com leite, por influência de hormônios absorvidos da mãe. Em pouco tempo, com a atividade circulatória independente, ocorrerá a absorção pelo corpo da criança, sem qualquer conseqüência.

• Perda sangüínea. Algumas meninas podem apresentá-la, como se mestruassem, mas o fato não tem qualquer gravidade, sendo apenas resultado de hormônios recebidos do sangue materno durante a gestação. Tal como no caso anterior, trata-se de um fenômeno passageiro e sem conseqüências, que desaparece sem a necessidade de providências.

• lcterícia — Em cerca de 50% dos bebês, a pele é ou se torna amarelada após o nascimento, devido à redução brusca do excesso de glóbulos vermelhos com que nascem. O fenômeno, chamado icterícia fisiológica, não tem nenhuma importância-clínica e desaparece em poucos dias. Como há outros tipos de icterícia danosos à saúde, o médico deve ser consultado a respeito.

Os cuidados médicos pós-parto incluem orientação sobre qualquer problema que leve o bebê a necessitar de cuidados especiais, como no caso de bebês prematuros, que podem ter dificuldades para se alimentar, para respirar, para manter a temperatura corporal, etc., e são mais sujeitos a infecções. A mãe deve sentir-se tranqüila, na certeza de que será informada sobre tudo o que for importante para cuidar de seu bebê.


O que acontece com a Mãe?

Os conhecimentos adquiridos nos cursos pré-natais, porém, só se completam na aplicação prática das instruções nos cuidados com o próprio filho, o que vai ocorrer durante o período pós-parto, ainda na maternidade. A gestante deve aproveitar ao máximo essa oportunidade de convivência com profissionais experientes, esclarecendo com eles todas as suas dúvidas, aprendendo técnicas eficazes de como lidar com seu bebê — banho, limpeza do coto umbilical, amamentação, etc.

A opção do alojamento do bebê no próprio quarto da mãe é preferível exatamente porque favorece a interação com o bebê, dando à mãe uma idéia real dos cuidados necessários, além de tranqüilizá-la por ter o filho ao alcance de seus olhos.

Porque esse é um período muito importante para a parturiente, é conveniente que as visitas de parentes e amigos sejam limitadas, não só para evitar excesso de excitação e favorecer o repouso como também para que a equipe técnica hospitalar tenha a oportunidade de transmitir ensinamentos que serão de grande utilidade para a mãe quando voltar para sua casa.

Objetivamente, são estes os principais fenômenos pós-parto que podem ou não ocorrer:

• Corrimento vaginal, inicialmente vermelho, tornando-se gradativamente transparente. Desaparece em 4 a 6 semanas. A menstruação normal recomeçará até 60 dias após o parto, ou mais, se a mãe estiver amamentando.

• Contrações uterinas, decorrentes da volta do órgão ao tamanho normal. Podem acentuar-se durante a amamentação, provocadas pela estimulação dos mamilos.

• Leve desconforto durante a cicatrização da região do períneo, que deve ser mantida sempre limpa. Existem exercícios adequados que podem acelerar a cicatrização. Ë importante conversar com o obstetra a respeito, principalmente em caso de cesariana. As orientações recebidas devem ser rigorosamente seguidas.

• Queda de cabelo, durante 3 a 6 meses após o parto. O uso de tinturas e descolorantes durante a gravidez pode contribuir para agravar o fenômeno. Usar xampus suaves e penteados simples, até que os cabelos voltem à condição normal.

• Funções intestinais mais lentas, podendo surgir hemorróidas. Evitar forçar a evacuação. Colocar os pés em um apoio alto, quando no vaso sanitário, para diminuir pressão sobre o reto. Tomar banhos de assento mornos duas ou três vezes ao dia. Dormir apoiada sobre um dos lados do corpo e não de costas.

• Estrias, que diminuem com o tempo e com a perda de peso, tornando-se menos visíveis.

• Incontinência urinária. O controle será readquirido com a ingestão de muito líquido e exercícios.

O médico deverá ser procurado nos seguintes casos:


• Coágulos vaginais, 2 a 3 dias após o parto, ou corrimentos vaginais de odor forte.
• Febre.
• Dor no abdome, mamas, peito ou suturas.
• Nível de depressão anormal

Pós-Parto

Após o parto, a mulher fica em torno de 21 dias perdendo sangue. Caso persista além de 30 dias, procure o serviço médico.

Recomenda-se retornar ao médico após 40 dias do parto e somente depois de fazer exames você poderá retornar a atividade sexual com penetração. No entanto, outras formas de carinho são permitidas, neste período.

Enviar
1
Precisando de ajuda?
Olá,
Em que posso ajudar?
Powered by